Pesquisar
Solução sustentável para armazenamento de água no Nordeste brasileiro

Meio Ambiente


18/4/2017

Cisternas INFIBRA, inovação e tecnologia para melhorar a vida do cidadão brasileiro
No Nordeste existe a região do Semiárido que é delimitada pela região chamada de Polígono das Secas, criada em 1951, pelo governo federal para combater as secas e diminuir seus efeitos sobre a população sertaneja, compreendendo partes de quase todos estados da região, sendo exceção o estado do Maranhão (por possuir regularidade de chuvas, em relação aos outros estados da mesma região, podendo ainda ser atingido pela seca), além do Norte de Minas Gerais. Inicialmente o Polígono abrangia cerca de 950 mil km², estendendo-se basicamente pelas áreas de clima semiárido. Entretanto, após a ocorrência de grandes secas, a área do Polígono foi ampliada e alcançou parte de Minas, também atingido pelas estiagens.
Quando ocorrem períodos prolongados de estiagem, a maior parte da população sertaneja enfrenta muitas dificuldades por causa da falta de água. Diversos órgãos do governo são responsáveis pelo combate às secas, especialmente o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS), que coordena programas de irrigação, construção de poços artesianos e açudes, bem como a formação de frentes de trabalho, carros-pipas entre outras iniciativas visando amenizar os problemas da população.
As condições desoladoras de animais e pessoas sem ter o que beber. Neste período de seca pelo qual nos sentimos impotentes, sem ter como ajudar. Os relatos dos sertanejos acerca das dificuldades do acesso à água em toda a Região. Eles criticam os governos, mas o que mais chama a atenção é a fé no Grande Pai que irá fazer brotar a rama, mudar a cor dessa paisagem castigada pela falta do líquido da vida.
A queima do mandacaru, a cada momento que passa fica mais escasso, para alimentar os animais, e a qualidade da água existente, barrenta e muitas vezes salobra. O que se vê é apenas juazeiros e algarobas verdes.
A miséria é alimentada em períodos longos por meio de programas como Bolsa Família e outros mecanismos de combate à fome. Funcionam no curto prazo e, ao longo dos anos, inibem a proatividade e a auto-sustentação. O plantio diminui, os pastos aumentam, a mata some e o lixo aparece. Além disso, os leitos dos rios ficam cada vez mais invisíveis e o povo, em agonia, faz de tudo para sobreviver.
Estas atitudes têm sido paliativas, pois movimentam capital, geram sub-empregos e evitam, de certa forma, a migração e o êxodo rural. Porém, a corrupção leva à chamada indústria da seca, têm impossibilitado a resolução definitiva do problema a ser dada não somente com sobreposição de rios e construção de canais para a perenização dos cursos de água, irrigação e fixação do sertanejo em seu território, mas também incrementando a democracia, a participação política e a mobilidade social.

A FAVOR DA NATUREZA

A cisterna mais usada pelos pequenos agricultores é feita com placas de cimento. O modelo foi implantado no começo dos anos 90. Hoje, em todo o semi-árido brasileiro mais de 3 milhões de pessoas sobrevivem com a água desses reservatórios. A cisterna de plástico é de mais rápida instalação, precisou-se de outras tecnologias e é a de polietileno que foi disponibilizada pelo programa. Essa mudança provocou muita polêmica em meados dos anos 90.
Os novos reservatórios de água, feitos de plástico, foram e estão substituindo os métodos antigos utilizados até então para solucionar ou amenizar os problemas na sua origem. As cisternas têm hoje uma importância fundamental para o abastecimento de água potável das famílias que moram no sertão do Nordeste. Na época das chuvas, a água que cai no telhado das casas é dirigida para uma canaleta. Depois, o líquido segue para um tubo de plástico que vai até o tanque, onde fica armazenado.

INOVAÇÃO INFIBRA

A empresa produz telhas de fibrocimento, placas cimentícias e outros produtos com a marca INFIBRA e PARMATEX; caixas d’água, CISTERNAS, tanques de polietileno e telhas, forros e portas sanfonadas de PVC com a marca Permatex.
A Infibra apresenta as Placas Cimentícias NTF, a nova tecnologia de fibrocimento, conceito e produto inédito no Brasil, com forte apelo ecológico e custo compatível com demais elementos presentes em qualquer obra. Diversos tipos de construção podem ser feitos com as placas cimentícias NTF. São adaptáveis a qualquer ideia, inclusive a projetos curvos. São ideais para construção de prédio de até 5 pavimentos, shoppings e residências. Podem ser aplicadas em fachadas, divisórias, paredes entre outras construções e aceitam qualquer tipo de acabamento. As placas têm bom isolamento término e acústico. São resistentes a cupins, micro-organismos, umidade e ao fogo. Os engenheiros da empresa orientam o cliente na correta instalação do sistema NTF. As placas NTF são também favoráveis ao desenvolvimento ecológico porque não contém fibras minerais e nem sintéticas. São composto basicamente de matérias comuns tais como: cimento e celulose e sua produção tem baixo consumo energético. a Infibra domina os materiais com os quais trabalha e controla as suas alternativas quando almeja sempre a inovação. Investe em pesquisas científicas acadêmicas em várias regiões do País, apoia projetos conjuntos e promove o intercâmbio de conhecimento.

www.contato@sustentatilibidadebrasil.com
(61) 99357-4803




fonte: www.sustentabilidadebrasil.com.br

Marcas da Sustentabilidade